domingo, julho 29, 2012

mas sei das limitações das minhas mãos...




E depois fui teu e tu minha, plenos sem fronteiras ou barreiras

Sem medos e fui feliz. Muito. Como faz anos não era.

É pouco para quem quer muito

Mas sei das limitações das minhas mãos

Não posso querer tudo sob pena de não ter nada

Não te posso prender, é isso

E a distância ainda é grande, embora agora a curva seja descendente e se encurte lentamente.

João marinheiro, Maringá 2012

quinta-feira, julho 12, 2012

sim, amo o teu coração faz tempo


O coração é estranho, um cantinho nele pode ser a propria vida...
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape