domingo, outubro 25, 2009

se eu soubesse...


Se eu soubesse que ias partir
Tinha ficado na esquina da rua para me despedir
Para te dizer adeus
Para te dizer que me levas
O coração todo teu ainda e sempre

Se eu soubesse

Tinha agarrado as tuas mãos pequeninas nas minhas gastas
E coberto de beijos cada curva dos teus dedos
Os lábios sedentos ainda
A ausência tremenda que fomos sempre para lá do tempo

Se eu soubesse que ias partir
Abandonava o barco e o mar, soltava os sonhos de vento
Ficava na rua à tua porta.
Longa a espera
Longo o retorno do tempo que já não temos

Só este incomodo

Um coração que não deixa libertar o sorriso
É um barco naufragado na entrada do Douro
E as pedras vazias da Cantareira.
O velho farol apagado já permanece obscuro na noite

Se eu soubesse

A tua falta em mim
Repetia-te a palavra proibida sempre e sempre
Até a saber de cor ou a dormir ou a sonhar

Amo-te! Amei-te! Amar-te-ei!
João marinheiro, Ineditos 2009
Fotografia de Barcoantigo em 2008

terça-feira, outubro 13, 2009

depois é a tua forma de amar que não me sai do pensamento

o sabor do corpo nos lábios


o calor do abraço...

domingo, outubro 11, 2009


Isto é tão deserto e sem graça sem ti...
João marinheiro 2009
Fotografia de Barcoantigo em 2009
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape