terça-feira, abril 29, 2008

sábado, abril 19, 2008

Haverá...

Haverá palavra mais bonita que esta, AMO-TE a dizer tudo o que sinto no peito a transbordar para fora de mim como um rio farto de águas claras ávidas do solo fértil

Haverá palavra mais forte que esta que se assemelha ao aço que veste os navios onde sulco os mares com saudade tua

Haverá palavra mais quente que esta que te murmuro baixinho, ao ouvido, enquanto os teus seios desnudos se encostam ao meu peito quentes a dissiparem o calor do desejo

Haverá palavra mais doce que esta poisada nos teus lábios agora enquanto te roubo um beijo com todo o tempo do mundo marcado a fogo em nós

Haverá?


João marinheiro 2008
Atravessei o frio da montanha

mas foi o eco da tua voz em mim

que aqueceu o sol

sábado, abril 12, 2008

Qualquer dia...

Fartei-me do negro... Queria isto tudo em mar, fica branco?
Qualquer dia descubro a porta ou a tecla.
Qualquer dia...


...Dizes-me que sou doido. Tenho dias!

também tenho tantas saudades do teu corpo proibido
de transgredir as leis da carne e dos sentidos

e ontem

ontem aconteceu-me uma coisa estranha

encontrei uma foto na net

de ti tinha só uma memória cansada, segura por pequenos fios de seda( acho que de seda frágil os fios)

fiquei aflito desalvorossado pela surpresa
agora cheio de saudade
a sofrer a tua ausência e a saudade
sempre a saudade de não te ter já nunca mais

nunca mais é demasiado tempo para mim


o tempo é uma parede em aço corrompido
o tempo cheio de batota

penso enquanto o mar se aninha nas pedras da praia deserta de ti

a praia agora perdeu a cor
o cheiro a maresia que eras tu
o sol que brilhava nos teus olhos

sempre gostei dos teus olhos
ainda gosto
mas já não lhes sei a forma
perdoas-me?

o aço

o único aço que não está corrompido é o das armas

armas de matar
armas de morrer

o sangue liquefeito em ferrugem escorre das mãos

sete chagas coroadas de espinhos para a redenção dos pecados!

João marinheiro 2008

sexta-feira, abril 11, 2008


Somos uma imensidão de surpresas por desembrulhar!
Foto de Francisco Garrett
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape