segunda-feira, março 31, 2008


Que tristeza nos invade a alma agora...

João marinheiro 2008
Fotografia de Barcoantigo em 2008

segunda-feira, março 24, 2008

Tudo...


Perdoas-me?
Tudo!
O que não consegui dizer-te com os meus silêncios.


Perdoas-me?
O desistir
João marinheiro 2008
Fotografia de Barcoantigo em 2008
Excerto do poema em versão completa no memoriasvirtuais

sexta-feira, março 14, 2008

sexta-feira, março 07, 2008

Dou-te a mão


Dou-te a mão para te sentir o contraste da tua quente na minha fria os teus dedos entrelaçados nos meus juntos e olhamos o mar vamos à praia deserta do cabo do mundo onde desejo poisar os meus lábios nos teus agora porque o coração bate desalmadamente como um condenado a amar-te assim desta forma dolorosa expressa nas palavras a medo porque não sei expressar nas palavras ditas e porque as palavras ditas que não digo soam com um som estranho aos meus ouvidos e só eu as ouço as decifro e o olhar revela e fico sem jeito pela falta cometida o confessar no olhar e nas palavras escritas mas o importante é que hoje vou de novo ter contigo matar a saudade adiar a ausência enganar o tempo
João marinheiro 2008
Fotografia de Barcoantigo Setembro 2007

terça-feira, março 04, 2008

Mar teu...


Deixas-me em silêncio hoje
fiquei em silêncio ontem
e antes de ontem e nos dias todos passados
em que te despedias sem me dizeres
e eu que precisava desesperadamente de ti
para me acalmar a saudade
curar a ausência
secar o sal do mar todo
nos olhos cegos já do horizonte finito
que não há…


João marinheiro 2008
Fotografia de Barcoantigo em 2008
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape