domingo, janeiro 28, 2007

sábado, janeiro 27, 2007

Todo um querer...


Todas as vozes que eu queria importantes
Partem da minha vida
E fica este silêncio esta saudade
Que renego todos os dias.

Porque afinal também não és diferente
Feita da mesma matéria
Carne e sentimento
Partes sem te despedir
Eu volto ao meu mar
E ao silêncio das noites longas da travessia.

Para que saibas de uma vez por todas
Que a tua cada vez maior ausência me dói
Para que saibas
Dói-me pronto!

Vieste com a tempestade
A querer o tudo no mundo
Dei-te o tudo
Fiquei sem nada
Salvam-se as palavras
Uma foto tua
Para matar a saudade em ti

Sinto-me exilado em mim…

joão 2007
Foto de Gonçalves, www.olhares.com

quinta-feira, janeiro 25, 2007
















És tu mulher?

És a rosa brava com o perfume das sedas
És o lírio selvagem que
Resiste no alcantilado ventoso!
A flor agreste!

És tu mulher?


João 04/01/07
Fotografia de João

domingo, janeiro 21, 2007

Andorinha que partes…


Hoje sinto-te frágil e não sei de noticias que aliviem este sentir que tenho comigo.
Dou voltas e voltas à memória e continuo a sentir-te assim deste modo que penso frágil.
Demasiado frágil. Demasiado insegura. Demasiado inquieta. Demasiado nervosa. Demasiado cansada. Demasiado fechada em ti.Hoje sinto-te demasiado só. É assim que te sinto hoje. Ainda me dizes que és como uma andorinha. Mas eu imagino-te sempre uma andorinha. Eu sei que estás de partida. De mim. Do meu sentir. Eu sei.
Perdoa ter buscado a tua companhia mas o teu voar encanta-me. Encanta-me ainda se é importante saberes.
Sinto-te demasiado sensível, e eu sei como é ser assim. E não me dás noticias. Espero sempre as que chegam aos poucos. Chegam em quantidade ínfima quando te lembras que eu também voo. O grave é que te lembras pouco. Pelo menos eu acho. E eu lembro-me muito de ti. Da tua graciosidade no céu. Os voos rasantes que fazes junto a mim. Parece que sinto o calor do teu corpo como uma aragem que me consola. O som do teu coração pequenino batendo rápido como rápido é o teu voar. Quero agarrar-te nos braços nesses instantes e ir contigo. Não te dás conta? Nunca te dás conta do meu querer? Sei que estás de partida. Não posso reter-te. És livre de voar, eu é que gostava de ir contigo, mas o mar não tem asas. Tem sonhos e pesadelos que são coisas completamente distintas. Mas voar contigo é um sonho. Perdoa-me por eu sonhar e assim te prender no meu sonho. Sei que não devo. Mas vou continuar aqui à tua espera, e quando voltares na próxima primavera eu vou estar cá esperando por ti. Chegas, e eu feliz, fico como a maré-viva enorme. Transbordante. Plena. É a forma possível de te dizer o quanto gosto de ti. Eu sei que é pouco, que mereces mais, mas não tenho asas. Às vezes tenho tempestades. Ventos ciclónicos que rasgam e atiram as velas brancas dos velhos barcos pelos ares, e elas sim, parecem asas feridas. Mas não é por mal que faço isto. Acredita que não, é uma coisa que vem do fundo, das profundezas onde a luz não chega. É uma forma de dizer que vivo, que estou vivo, luto por me manter vivo. Acredita que também sou frágil, não sou um mar infinito. E hoje sinto-me um pouco doente até. Mas passa. Na próxima maré-cheia renovo-me.
E hoje talvez por me sentir sensível te sinto no corpo triste…
João 2006
Fotografia de Leonel Braga Pinheiro/www.olhares.com

E porque existem mil maneiras de dizer o amor. Esta é uma delas...

Metade...

sexta-feira, janeiro 19, 2007

Tu sabes?


Tu sabes. Não sabes?
Eu não estou só
Verdadeiramente não estou só
Vivo com os livros. As palavras
Presas nas folhas que ás vezes ganham vida
Tenho noites em que apetece acender a lareira
E fico ali na modorrice do quente
O livro aberto
Folheio lentamente e leio
Leio em voz alta
Tenho então a certeza de não estar só
As palavras ditas assim e o eco que escuto
Por dentro somos dois


joão 2007
Fotografia Sergio P/www.olhares.com

sábado, janeiro 13, 2007

…Na quietude da tua meiguice imagino-te
Quando nos encontramos abraçamo-nos e nunca mais houve trevas
A noite fez-se dia e o dia fez-se luz
A luz do sol
A luz do abraço eterno pelo lado de dentro de ti.
O outro lado de mim…

segunda-feira, janeiro 08, 2007

Voltei ao Porto
A andar pelas ruas
Não é o mesmo sem ti!

João O4/01/07

quarta-feira, janeiro 03, 2007


Podias ser a pétala. Mas quero-te flor por inteira…
Foto de João
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape